Polícia Civil coloca na cadeia autor do primeiro homicídio do ano em Maringá

1106

Investigadores da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Maringá, prenderam na tarde desta quinta-feira, 14, o principal suspeito de ter cometido o primeiro homicídio do ano na cidade. Wagner Malikoski, de 35 anos, foi encontrado em um bar situado na Avenida Brasil, nas imediações do Maringá Velho. Malikoski foi conduzido até a DH, e durante interrogatório, confessou a autoria do crime. Ele disse que usou uma chave de fenda para matar seu desafeto, durante uma briga. Ainda disse que agiu em legítima defesa. Segundo o suspeito, a vítima, Doglas Martins dos Santos Malgonato, de 47 anos, tentou-lhe agredir usando duas facas. Ainda relatou que o motivo da briga entre ambos, ocorreu por conta de drogas e a divisão de materiais recicláveis.

Os policiais identificaram o suspeito, através de imagens de câmeras de segurança que auxiliaram no trabalho investigativo. Testemunhas que foram ouvidas pela autoridade policial que preside o inquérito, também reconheceram o homem como sendo o criminoso. Diante dessas provas e materialidade o delegado representou pela prisão do suspeito, que foi decretada pela justiça, (temporária de 30 dias), com possibilidade de ser prorrogada. O homem preso, já respondeu pelo crime de homicídio. No ano de 2014 ele matou uma pessoa na região metropolitana de Curitiba.

DETALHES DO CRIME PRATICADO EM 2014

Um homem de 29 anos foi preso acusado de matar um colega durante um churrasco no dia 20 de maio de 2014, em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. A polícia capturou Wagner Malikoski, conhecido como Polaquinho, no Jardim Osasco na última semana. Segundo o delegado Erineu Portes, Wagner estaria em uma festa com a vítima, Nilson Feles, de 36 anos, quando o dono da casa saiu para comprar mais bebida. “No momento em que ele voltou, viu que Nilson foi morto com um golpe de faca e que Polaquinho tinha fugido. Testemunhas afirmaram que eles estavam embriagados e começaram a discutir momentos antes do crime”, explicou o delegado em entrevista à Banda B nesta segunda-feira (15).

Ninguém soube dizer qual teria sido o motivo da briga. Após o trabalho de investigação da polícia, Polaquinho foi localizado e preso. Ele confessou o crime em depoimento na Delegacia da cidade.

O CRIME DE MARINGÁ 

Foi identificado nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira, 13, no Instituto Médico Legal de Maringá, através do exame de papiloscopia, o homem encontrado morto no final da tarde do último domingo, 10, na região da zona 6 em Maringá. Trata-se de Doglas Martins dos Santos Malgonato, de 47 anos. A princípio ele seria morador da cidade de Dr.Camargo. Um exame preliminar, apontou que o homem foi vítima de disparo de arma de fogo. O caso já é investigado pela Polícia Civil, através da Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa da 09°SDP. A identificação da vítima aconteceu durante um trabalho integrado (conjunto) do IML e Polícia Civil através do setor de identificação. Esse foi o primeiro homicídio do ano registrado na cidade. Agora com a identificação da vítima, o IML tenta localizar a família do homem assassinado.

DETALHES DO OCORRIDO NO DOMINGO NA ZONA 6

Um homem foi encontrado morto no final da tarde deste domingo, 10, ao lado de uma igreja evangélica, situada no entroncamento das Avenidas Brasil e Paranavaí, em Maringá. O corpo estava debaixo de uma tenda, montada ao lado da calçada. Existe a possibilidade do homem ter sido vítima de homicídio, ou seja, de um possível crime contra a vida. Porém apenas o laudo oficial do Instituto Médico Legal, irão apontar as reais causas da morte.

Em um levantamento preliminar realizado no local, através de uma perita da Polícia Científica e do agente José Clementino (IML), se constatou que o indivíduo apresentava um ferimento (perfuração) no tórax. Mas não foi possível constatar, se esse ferimento foi causado por disparo de arma de fogo, facada ou até mesmo algum objeto pontiagudo. O corpo foi removido e encaminhado para a realização do exame de necropsia. O homem que não portava documentos, apresenta ter idade aproximada aos 45 anos e trata-se de uma pessoa morena.

Além da Polícia Militar, compareceu também no local, um investigador da Divisão de Homicídios e proteção à Pessoa, que irá apurar o caso. Ao lado do copo havia um colchão, e pelas características do homem, tudo indica que se trata de um andarilho. A polícia civil irá coletar imagens de câmeras de segurança instaladas nas imediações, que poderão auxiliar no trabalho investigativo.