Maringá – Vídeo mostra jovem sendo executado e suspeitos comemorando

4520

Foram divulgadas nesta quinta-feira, 14 de outubro, as imagens que mostram um jovem de 22 anos, sendo executado na noite do último sábado, (9), no Jardim Alvorada, zona norte de Maringá. O crime ocorreu ao lado de uma tabacaria. Para a polícia civil, a execução foi premeditada pelos criminosos.

A vítima foi assassinada ao lado tabacaria, no cruzamento da Rua Montevidéu com a Avenida Pedro Taques. Um funcionário da tabacaria foi preso, minutos após o crime. A polícia informa que ele seria a pessoa que no qual entregou ao assassino, a arma usada para matar o rapaz. As imagens mostram o susposto atirador pegando a arma, ainda no interior da tabacaria.

Ele deixa o estabelecimento comercial, e ainda na calçada, antes de pegar uma bicicleta que estava encostada em um poste de energia, o suspeito chega a cumprimentar a vítima quando chegava na tabacaria. Minutos depois, ocorreu a execução. No final do vídeo é possível ver o suspeito que foi preso na companhia de um outro rapaz, comemorando a morte da vítima. O atirador ainda não foi localizado. Mas a PCPR, em especial a Divisão de Homicídios da 09°SDP, já tem em mãos, a qualificação do mesmo.

FLAGRANTE DA EXECUÇÃO 

O CRIME

Luan Ricardo Nascimento, de 22 anos, que já contava com antecedentes criminais, foi morto a tiros na noite deste sábado, (9), no Jardim Alvorada, zona norte de Maringá (PR). O homicídio ocorreu no cruzamento da Rua Montevidéu com a Avenida Pedro Taques, defronte a subestação da Copel. A vítima estava ao lado de uma conveniência, quando foi surpreendida pelo atirador que a princípio estava de bicicleta. Ao menos 6 tiros atingiram o rapaz que antes de morrer teria delatado aos policiais, quem seria o assassino.

Socorristas do Samu foram até o endereço do ocorrido, para atender o jovem baleado. Eles realizaram manobras de reanimação, mas a vítima não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no local. A PM informa, que Luan tinha em seu desfavor, um mandado de prisão em aberto. A cena da execução foi isolada pela Polícia Militar, que posteriormente acionou a Divisão de Homicídios e o Instituto de Criminalística.

Em diligências, no intuito de localizar o criminoso, um suspeito de ter envolvimento no homicídio, foi detido por uma equipe da PM. Essa pessoa seria funcionário da loja de conveniência. A execução foi filmada pelo sistema de monitoramento do estabelecimento comercial. Ao analisar as imagens, os militares constataram que a princípio o funcionário teria passado ao atirador, a arma (revólver) usada para matar Luan. Inclusive ele teria comemorado a morte do rapaz de 22 anos.

O indivíduo foi conduzido até a delegacia de Polícia Civil, para serem tomadas as providências cabíveis. Na delegacia após interrogatório, o delegado de plantão optou pela prisão do suspeito. O homicídio pode ter ligação com o tráfico de drogas. A polícia acredita que a vítima foi atraída para uma possível emboscada.